249 - BANQUETE DO BELSAZAR

Numa orgia nefanda o rebelde Belsazar,
Com os grandes do seu reino, todos eles a folgar;
Com espanto pararam quando o rei estremeceu;
Na parede a mão divina escrevendo apareceu

Lá no céu a mão de Deus! lá no céu a mão de Deus!
Vê qual seja a tua sorte, a tua vida ou morte
Lá no céu escreve a mão de Deus.

No palácio os festivos nobres não souberam ler,
Tal escrita na parede, logo o rei todo a tremer;
Vir mandou bem depressa o cativo Daniel;
Que do escrito na parede, deu a tradução fiel

Lá no céu a mão de Deus! lá no céu a mão de Deus!
Vê qual seja a tua sorte, a tua vida ou morte
Lá no céu escreve a mão de Deus.

A sentença foi grave ao monarca dos caldeus,
Que vivia no pecado sem temor nenhum de Deus;
O teu reino passou-se, na parede escrito está;
Na balança da justiça a tua alma em falta está.

Lá no céu a mão de Deus! lá no céu a mão de Deus!
Vê qual seja a tua sorte, a tua vida ou morte
Lá no céu escreve a mão de Deus.

Tua vida ó amigo, nesta hora escrita está,
O registro dos teus atos Deus no céu escreve já;
Que Jesus pois te faça tal escrita compreender;
Que em havendo tempo possas Sua graça receber.

Lá no céu a mão de Deus! lá no céu a mão de Deus!
Vê qual seja a tua sorte, a tua vida ou morte
Lá no céu escreve a mão de Deus.


Knowles Shaw (1834-1878)