232 - CRISTO À PORTA



À porta chamo-te, alma triste,
Ansioso por te consolar;
Se minha voz enfim ouviste,
Posso eu entrar? ( bis )

Por ti foi grande meu castigo.
Sofri sem nunca murmurar.
Perfeita paz terás comigo -
Posso eu entrar? ( bis )

A minha graça poderosa
O teu pecado vem lavar;
Ó alma impura, pesarosa,
Posso eu entrar? ( bis )

Eu vim pra dar-te vida e gozo,
Que podes hoje desfrutar;
Com isso te farei ditoso -
Posso eu entrar? ( bis )

Á porta por amor levado,
Teu mal procuro debelar
Ó pecador desalentado,
Posso eu entrar? ( bis )